segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Fraude nas eleições da capital sergipana

Retirado do blog Economia e política de Davi Edwirges:

O post abaixo basea-se em informações oficiais do TRE-SE. Talvez nesse momento já tenham sido tirados do ar. Toda a informação já fora noticiada por alguns orgãos de imprensa locais e está devidamente arquivada para comprovações futuras

Tecnologia de ponta a serviço das eleições.

Há anos o TSE tenta convencer a população que o voto eletrônico é 100% seguro, 100% à prova de fraudes e que temos o sistema de votação “mais seguro do mundo” . O que não pode ser explicado é como um sistema tão seguro pode ter computado nas eleições aracajuanas, na Seção 73, Zona 27, 31 votos para Wilson Sá Barreto (10), mais votos que os candidatos Vera Lúcia (16) e Anderson Góis (21) somados, sendo que os dois tiveram várias semanas de propaganda eleitoral e o sr. Wilson nem candidato foi. Enquanto na seção citada 31 pessoas votaram no sr. Wilson, apenas 19 anularam o seu voto, ou seja, mais pessoas preferem o senhor Wilson como prefeito que anular o voto.

Melhor ainda é ver que na mesma capital, na Zona 01, Seção 96, conseguimos ter dois candidatos a prefeito pelo PSB (40), Duilio Siqueira Ribeiro e Francisco Alexandre dos Passos. Somente na capital sergipana, um partido político não inscreve nenhum candidato a cargo majoritário e concorre com dois. E como nossa tecnologia é de ponta e 100% segura, 100% à prova de fraudes, a urna eletrônica consegue separar o voto de cada um mesmo tendo os dois o mesmo número. Subestima o novo sistema quem acha que a nova tecnologia é capaz de distinguir apenas dois candidatos com o mesmo número, na mesma seção temos Hipólito Campos Filho, Bareta Filho e Gilásio Leandro, todos lançados pelo PSB com o número 40000.

Quem acha que já viu todo o potencial da nova tecnologia está enganado, Sergipe foi piloto de novo sistema para evitar que o eleitor em outra cidade tenha que justificar o voto. Na cidade Cedro de São João, mais precisamente na Zona 35, Seção 26, os eleitores puderam votar em candidatos a vereador da capital, Aracaju. Lá tivemos 8 votos para Jony Marcos de Souza Araújo (10123), e 7 votos para Alexsandro Lino da Conceição (15190).

É por isso que tenho orgulho de votar na urna eletrônica! Vocês acham possível alguém ainda acreditar em fraude nas eleições?

Testemunho de um mesário.
Durante o processo eleitoral, um mesário afirmou ter sido comum a reclamação de eleitores não terem visto as fotos dos candidatos. O TRE-SE alega que as fotos não apareceram por serem antigas as urnas, porém, antes do pleito, o Desembargador Cláudio Déda, afirmou que todas as urnas foram trocadas para o pleito de 2008. O mesário também alega ter presenciado pessoas chegarem ao local de votação e perceberem que estavam inscritos em outra Zona (sim, outra Zona, não em outra Seção).

Expectativas futuras
Se o TSE convocar outras eleições, será obrigado a concluir que o sistema eleitoral no Brasil não é totalmente seguro, como alegam as propagandas oficiais. Infelizmente, para o TSE valerá mais tentar preservar a reputação que a simples honestidade. Também não podemos esperar que o Presidente do TRE-SE Desembargador Cláudio DÉDA coloque sob suspeição a eleição que consagrou o candidato do Governador Marcelo DÉDA (PT) (seu irmão, diga-se de passagem), Edvaldo Nogueira (PCdoB) prefeito de Aracaju.

Aliás, as últimas eleições foram repletas de situações suspeitas, faltou transporte público nas áreas da periferia de Aracaju onde os votos para os candidatos da oposição poderiam deflagrar um segundo turno (cerca de cinqüenta mil pessoas foram impedidas de chegar ao local de votação) e levar para o embate o candidato que prometeu “licitações na área de transporte público” . Além, disso, todos os vereadores eleitos receberam votos através de candidatos fantasmas (aqueles de mesmo número e nome diferente), candidatos da capital receberam votos em urnas do interior, candidatos tiveram seus votos computados pelo TRE e depois os votos sumiram, eleitores alegam ter votado em candidatos e não ter sido computado voto algum na urnas, fotos de candidatos que não apareciam, et cetera...

Nos dias que virão, o que poderemos esperar do TSE, a tentativa de preservação da reputação ou a honestidade?

Um comentário:

Ana Falcão disse...

Alexandre, qual o seu contato?